Dicas Сaseiras: A CICATRIZA PODE TE AJUDAR NO TRATAMENTO DE ÚLCERA VENOSA

Posted on

Isso promove uma dilatação dessas veias, varizes e a possibilidade de você formar uma ferida que vai manter-se aberta como uma úlcera”, explicou o clínico geral José Cesar Briganti.

Quando uma lesão demora mais do que o tempo esperado para cicatrizar, pode-se dizer que se trata de uma ferida crônica(1). Leia também: Na medicina, uma ferida que demora mais de quatro semanas para cicatrizar é alvo de alerta e deve ser imediatamente investigada. Num universo de 100 úlceras, as arteriais representam de 10 a 25%, enquanto as Venosas e Neuropáticas lideram entre 70 e 80% das feridas em membros inferiores. Na Europa, dos adultos com idade entre 30 e 70 anos, 5 a 15% apresentam doença venosa crónica, sendo que 1% apresenta já úlcera varicosa. A úlcera de estase que ocorre na doença venosa crónica inicia-se de forma espontânea ou traumática, tem tamanho e profundidade variáveis, sendo frequente curar e reaparecer regularmente. A compressão é a forma de tratamento mais frequentemente usada no contexto de varizes de maior dimensão, com edema, alterações da pigmentação da pele ou úlcera activa. Também conhecidas como úlceras varicosas, são feridas que aparecem nos membros inferiores provocadas por uma deficiência no retorno venoso. A fragilidade que se forma, deixa pés e pernas suscetíveis a feridas e por menor que elas sejam, as úlceras venosas poderão aparecer. Os sistemas de saúde gastam mais de mil milhões de euros por ano para o tratamento da úlcera venosa da perna, ou ulcus cruris venosum.

A CICATRIZA PODE TE AJUDAR NO TRATAMENTO DE ÚLCERA VENOSA

  • Existência de feridas nas pernas, ou histórico de feridas no passado;
  • Presença de varizes nas pernas;
  • Uso de cigarro em excesso;
  • Obesidade;
  • Presença de outros problemas circulatórios;
  • Osteoartrite.

O tratamento divide-se em três fases Como consequência da insuficiência venosa crónica, a ferida da úlcera é rodeada, regra geral, de tecido conjuntivo endurecido, que tem de ser removido.

Em casos mais graves, pode ser recomendada a cirurgia para melhorar a circulação nas pernas que pode ajudar a úlcera a curar e prevenir problemas semelhantes mais tarde. O tratamento eficiente das feridas crônicas baseia-se em dois princípios fundamentais: desbridamento da ferida e tratamento da situação subjacente. Dor no Tratamento de Feridas Tratamento Tópico Analgésico local EMLA -lidocaína 2,5%+prilocaína 2,5% GEL OU SPRAY DE ANESTÉSICO –colocado nas margens da ferida antes do curativo. ISSN Eletrônico: 2176-9133 A úlcera venosa é um tipo de ferida provocada pela insuficiência circulatória nas pernas. Devemos considerar que as úlceras varicosas são sempre chagas abertas, por tanto, temos que ter cuidado com os componentes aplicamos sobre a pele ferida. Úlcera varicosa ou venosa é uma ferida difícil de cicatrizar, causada por insuficiência venosa crônica. A falta de circulação faz com que pequenas feridas cresçam e se juntem, formando a úlcera, que pode surgir devido a traumas ou espontaneamente. A úlcera varicosa ocorre principalmente em pessoas com idade avançada, excesso de peso, história de ferimentos nas pernas, flebite (inflamação da veia) e trombose venosa profunda. O curativo acelera a cura da úlcera varicosa e evita que a lesão volte a aparecer.

13. Úlcera Forrest IA,IB,IIA,IIB: - Térmico, clipe ou injeção de epinefrina + 2º método endoscópico - Manter omeprazol IV por 72 horas - Pesquisar H. pylori em úlceras pépticas

  • Publicado: Quinta, 02 de Fevereiro de 2017, 10h00
  • Última atualização: 02/02/17 16h01

Já o tratamento cirúrgico pode ser indicado em alguns casos de úlcera varicosa.

Pode apresentar desde pequenos vasos que causam desconforto estético, inchaço e manchas nas pernas, até feridas de difícil cicatrização, chamadas úlceras venosas ou varicosas. Um cirurgião vascular pode definir se a ferida em análise é uma úlcera venosa. As úlceras ou feridas das extremidades inferiores são conseqüência de doenças venosas, arteriais ou neurovasculares, tais como varizes, trombose venosa, aterosclerose, diabetes e hipertensão arterial entre outras. Podemos destacar algumas origens, tais como: venosa; arterial; mista e maligna, sendo que a úlcera de etiologia venosa representa a maioria das úlceras de perna. CEP: 58.082005 Úlcera varicosa ou venosa é uma ferida difícil de cicatrizar, causada por insuficiência venosa crônica. 5- DISCUSSÃO Borges (2005) afirma que para a cura da úlcera venosa é necessário a implementação de um cuidado que envolva a terapia compressiva e a terapia tópica. A inflamação chega ao ponto de necrosar a pele abrir a ferida, que é a úlcera varicosa. O grau seis são vasos grandes com úlcera, com ferida. Já a úlcera varicosa geralmente surge associada a varizes, acomete os membros inferiores  e tem a aparência de uma ferida.

Tratamento de úlcera varicosa cicatrizada – Depoimento

  • 1 colher de mel (25 g)
  • 1 colher de polpa de aloe vera (15 g)
  • 1 copo de água (200 ml)

O tratamento das úlceras de perna deve visar a cura

Nestes casos, é preciso não apenas tratar a ferida, mas a causa que leva ao aparecimento desta úlcera. A ferida, a princípio, costuma não doer, porém se houver infecção a úlcera se torna bastante dolorosa. O tratamento costuma ser demorado, e caso as feridas demorem para cicatrizar, é preciso seguir com o tratamento pelo resto da vida. O tratamento é semelhante ao das úlceras varicosas, com cremes, antibióticos e limpeza das feridas. A erisipela, ao contrário dos outros tipos de úlcera na perna, é causada por uma infecção na parte mais superficial da pele dos membros inferiores. Ao se notar o surgimento de alguma ferida na perna, que apresente os sintomas citados e demore para cicatrizar, é imprescindível procurar o profissional de saúde. Feridas nas pernas podem se tornar problemas crônicos e o tratamento precoce ajuda a evitar consequências mais sérias. A úlcera venosa é uma ferida que surge nas pernas e/ou pés em consequência da dificuldade do sangue voltar para o coração. As úlceras são feridas abertas e fundas nos membros inferiores, em geral pouco dolorosas, que demoram muito para cicatrizar.

Além do tratamento, quais orientações são dadas ao paciente de úlcera venosa?

Isso ocorre porque no momento em que sofremos de insuficiência venosa crónica, as nossas pernas recebem menos irrigação sanguínea e, como consequência, as feridas tardam mais a cicatrizar.

Além disso, temos que lembrar que, durante a Segunda Guerra, era muito comum usar o mel como tratamento antibiótico e como forma de acelerar a cura de feridas. O tratamento da úlcera venosa da perna consiste no tratamento agudo dos sintomas, pelo que a ferida pode cicatrizar mais facilmente. O tratamento para úlcera varicosa inclui o uso de meias elásticas, repouso, elevação das pernas, curativos e cirurgia. Apesar da compressão elástica poder controlar ou diminuir a insuficiência venosa, ela só deve ser usada para cicatrizar úlceras varicosas não complicadas. O curativo é essencial no tratamento da úlcera varicosa, pois acelera o processo de cura e evita que a lesão volte a aparecer. As complicações mais graves da úlcera venosa incluem celulite (infecção da pele), osteomielite (infecção do osso) e até mesmo transformação maligna, ou seja, a úlcera varicosa pode evoluir para câncer. O tratamento da úlcera varicosa é realizado pelo médico angiologista ou cirurgião vascular e também pelos enfermeiros. A compressão graduada pode controlar ou reduzir a insuficiência venosa, entretanto só deve ser utilizada para cicatrizar úlceras venosas não complicadas. Deve ser aplicado apenas em úlceras livres de processo infeccioso e a sua borda deve ultrapassar 2 cm da borda da úlcera. A úlcera venosa representa cerca de 70% a 90% dos casos de úlceras de portadores de úlcera venosa As úlceras venosas “causam danos aos pacientes porque afetam seu estilo tradicional e atual de feridas de duas pacientes com úlcera venosa atendidas na Agora, ele está realizando um estudo de pequeno porte sobre a eficácia de açúcar, quando usado em pacientes hospitalares com feridas, como escaras, úlceras de perna e até amputações.