Mulheres têm mais fatores de risco para desenvolver doença venosa.

Posted on

47 anos depois, 100 milhões de mulheres utilizam pílula.

“São mulheres que querem levar um estilo de vida mais saudável”, afirma a ginecologista Vanessa Franco. Altamente eficaz (mais até que o DIU de cobre), estima-se que apenas 0,2% das mulheres que usam o método engravidam. Isso porque a pílula tem 1,25% de chances de não funcionar - isso quer dizer que a cada 100 mulheres que tomam pílula, a cada mês uma engravida. “Uso Diu Mirena a quase 2 anos, coloquei 6 semanas depois que meu bebê nasceu.Desde então digo eu conquistei a liberdade feminina. Me adaptei muito bem ao Diu Mirena. Por Flavia —————————————————————————————————————————————————— “Já uso Diu Mirena a 5 anos, adorei este método depois que coloquei não tive mais nenhum corrimento e nem a desagradável cândida vaginal. Sobre efeitos colaterais não tive nenhum.” Por Rita Lanna —————————————————————————————————————————————————— “Coloquei o Diu Mirena em 25/08/2010, tomei anestesia e dormi durante o procedimento. Abaixo coloquei um esqueminha para vocês entenderem: Ou seja, engravidar aumenta MUITO mais o risco de ter trombose do que usar pílula. Esses teoricamente não aumentam o risco de trombose e são indicados para mulheres com risco aumentado, como as tabagistas, obesas, diabéticas, hipertensas, que tiveram TVP prévia ou risco familiar alto.

Praticar atividade física é uma das formas de prevenir o problema. Se não tratadas, as varizes podem levar a complicações mais graves, como a trombose

  • hormonal (contendo somente progesterona)
  • não hormonal (contendo apenas cobre, que torna o meio uterino desfavorável para uma gestação).

Muitas mulheres tem risco de trombose aumentado por terem alterações genéticas que predispõem a essa doença.

Inúmeros estudos foram realizados e não foi encontrado diferença de incidência de trombose em mulheres que foram investigadas ou não, pois essas alterações genéticas são raras. A pílula é o método anticoncepcional mais usado no Brasil, quase 62% das mulheres tomam, mas muitas não conhecem os riscos e as contraindicações de tomar hormônio. Você sabia que de cada 10 mil mulheres, uma pode ter trombose por causa do uso de anticoncepcional feito com este hormônio? Os hormônios não são indicados para mulheres com histórico de trombose, fumantes acima de 35 anos, hipertensas, obesas, mulheres com problemas cardiovasculares, com lúpus e que sofram com enxaqueca. Por mais que o DIU Mirena tenha ação hormonal local, ainda assim tem os tais hormônios que não me deixam tranquila. Tive que parar de tomar anticoncepcional e optei por colocar o Diu Mirena por indicação do meu Ginecologista. O efeito anticoncepcional e terapêutico de Mirena baseia-se em sua ação local dentro do útero: Mirena torna o muco cervical mais espesso dificultando a passagem dos espermatozóides e assim, a fertilização do óvulo. Mirena inibe o crescimento do endométrio (camada de revestimento interno do útero) tornando-o desfavorável à gravidez e resultando em sangramento menstrual mais curto e menos intenso.

Cerca de 40 milhões de brasileiros apresentam esse problema em algum grau, sobretudo as mulheres — inclusive jovens que ainda nem completaram 20 anos

  • Pregnancy, contraception and venous thromboembolism (deep vein thrombosis and pulmonary embolism). Vascular Medicine 2017, Vol. 22(2) 166–169
  • Progestin-only contraception and thromboembolism: A systematic review. Contraception. 2016; 94: 678–700.

Mirena é um método contraceptivo muito eficaz comparável à laqueadura tubária (esterilização feminina).

Mirena está indicado ás mulheres que necessitem de contracepção eficaz, ou que tenham menorragia (fluxo menstrual intenso) idiopática e na prevenção da hiperplasia endometrial durante a terapia de reposição estrogênica. Mirena age por até 5 anos. Juliana Puggina Cirurgia Vascular e Endovascular CRM-SP 134.963 As varizes, apesar de serem mais comuns nas pernas, também podem acometer as veias da região pélvica. O refluxo nas veias da região pélvica podem, inclusive, ser causa de reaparecimento de varizes nas pernas daquelas mulheres que já realizaram cirurgia para varizes. Além dessas duas síndromes, a obstrução das veias ilíacas e veia cava inferior por um quadro de trombose venosa profunda também podem levar ao aparecimento de varizes pélvicas. Para saber mais sobre a trombose venosa profunda acesse o post “Trombose venosa profunda: saiba como prevenir e tratar este problema”. Após o diagnóstico do problema, geralmente é solicitado um exame mais detalhado para que o tratamento possa ser planejado. Tratamento das varizes pélvicas Quando é feito o diagnóstico desse problema, precisamos identificar a causa das varizes para indicar o melhor tratamento. Mulheres com mais de 90 quilos ou com excesso de peso A obesidade

Diu Mirena, leia depoimentos e opiniões reais de quem utiliza. Descubra o que as mulheres acham desse dispositivo e forme a sua própria opnião.

“O problema é que, na maioria das vezes, o excesso de peso vem acompanhado por outros problemas, como a hipertensão”, avalia o ginecologista Nilson Melo.

Além disso, a gravidez também aumenta o risco de trombose ainda mais do que a pílula anticoncepcional e ninguém deixa de engravidar por causa disso. No caso do SIU (DIU Mirena), este é revestido com o hormônio progesterona, motivo pelo qual também é conhecido como DIU hormonal. Mulheres com DIU podem se submeter à realização de ressonância magnética, mesmo aquelas com DIU de cobre. As mulheres usam o DIU por mais tempo do que qualquer outro método contraceptivo reversível, mostrando a sua grande aceitabilidade. No entanto, o Dispositivo Intra-uterino não é considerado método de primeira escolha para estas mulheres devido à maior dificuldade de inserção e aumento de alguns efeitos colaterais. O Mirena também pode ser usado neste período. As mulheres acima de 40 anos podem ser ótimas candidatas ao uso do DIU, o qual geralmente poderá durar até a menopausa. Existem mais de 100 milhões de mulheres usuárias em todo o mundo e este número não para de crescer. O Mirena já tem mais de 10 milhões de usuárias.

Esta recomendação também é válida para o Mirena.

Também não tive problema nenhum para engravidar, coisa que o anticoncepcional pode causar. Sou uma fã do DIU.” SIU impede a mulher de menstruar A médica Marianna Viveiros faz um esclarecimento sobre o Mirena. Marianna tranquiliza as mulheres que consideram adotar o método e afirma que a paciente sente uma cólica um pouco mais forte, mas bem rápida. Mirena não é coberto pela rede pública de saúde O Mirena não é custeado pelo SUS e nem por todos os planos de saúde. Julia conta que dos possíveis efeitos colaterais do Mirena, como cólicas e escapes menstruais, não ocorrem sempre, já a tensão pré-menstrual (TPM) permanece. É importante lembrar que tanto o DIU de cobre quanto o Mirena não protegem as mulheres das Doenças Sexualmente Transmissíveis. Atualmente há diversos métodos contraceptivos, mas antes de escolher a melhor opção, as mulheres buscam conhecer quais são os possíveis efeitos colaterais oferecidos por cada um deles. O DIU Mirena é um anticoncepcional de ação prolongada, um dispositivo intrauterino hormonal, voltado para o controle de natalidade, com ação reversível. O que não se pode dizer realmente é que o anticoncepcional DIU Mirena emagrece, pois ele não possui qualquer função que leve o seu metabolismo a se manter ativo continuamente.

Assim como qualquer medicação, é importante destacarmos que o anticoncepcional DIU Mirena não está isento de oferecer alguns efeitos colaterais.

Trata-se de um procedimento invasivo, delicado que precisa ser feito corretamente para não trazer problemas e que pode causar diversos efeitos, logo a presença do profissional é imprescindível. Hoje vamos falar das varizes… esse problema que afeta muitas mulheres!!!! Está indicado rastrear mulheres com história familiar ou pessoal de trombose venosa profunda. Há mais de um ano comecei uma história com o DIU Mirena. Coloquei o Mirena em março de 2015 e contei tudo sobre isso no post A opção pelo Mirena. Coisas consideradas normais já que a base do Mirena é progesterona, hormônio muito presente na gestação. Mas o mais sério de meus problemas foi o aumento de peso. Quando coloquei o Mirena, 1 ano e 5 meses depois do parto dos trigêmeos, faltavam apenas 3 quilos para atingir novamente meu peso pré-gestacional. Hoje, quatro meses depois de ter tirado o Mirena, me sinto uma pessoa mais feliz. Está faltando dois quilos para estar com o peso que eu estava quando coloquei o Mirena e falta apenas cinco quilos para meu peso pré-gestacional. Conto a minha história com o Mirena para mostrar que nem todo mundo se adapta a todos os métodos.