Remédios: 2 HEMORRAGIA DIGESTIVA ALTA VARICOSA (HDAV)

Posted on

Tempo de leitura: 14 minutos A hemorragia digestiva alta (HDA) é uma emergência clínica relativamente frequente, com episódios discretos até sangramento que ameaça a vida.

Quando mencionamos a doença não varicosa como causa de hemorragia digestiva alta e na sua terapêutica endoscópica, estamo-nos referindo às úlceras pépticas gastroduodenais hemorrágicas. Os melhores resultados da terapia endoscópica são obtidos quando há associação com o tratamento farmacológico (terlipressina, somatostatina ou octreotídeo), que deve ser iniciado preferencialmente antes da endoscopia digestiva alta. Após poucos dias, forma-se uma úlcera e cai o anel, tornando essa fase de pequeno risco de hemorragia. Quando ocorre uma hemorragia por varizes esofágicas fora dos grandes centros, não há a opção de tratamento farmacológico com vasodilatadores esplâncnicos, endoscopia de urgência. Acredita-se que a hemorragia esofagogástrica provenha, não diretamente das varizes maiores mas de vasos menores que se formam em decorrência da hipertensão. Com o tempo, o calibre das varizes aumenta e o risco de hemorragia também. A presença de varizes, mesmo de calibre maior, não prenuncia o advento de hemorragia. É interessante observar que o tratamento clínico bem sucedido, reduz o risco de hemorragia decorrente das varizes. Os vasos sanguíneos podem haver uma perdas de sangue ou até mesmo podem quebrar, causando uma hemorragia que pode ser mortal.

PROTOCOLO DE HEMORRAGIA DIGESTIVA ALTA

  • Refratário: cirurgico (duodenal é o mais comum e não precisa tirar a ulcera. Já a ulcera gástrica deve tirar por ser lesão pré neoplasica)

O tratamento para reduzir a pressão arterial do sangue na veia pode reduzir o risco de sangramento de varizes esofágicas.

Se as varizes esofágicas têm um alto risco de hemorragia, o médico pode recomendar um procedimento chamado ligadura elástica. O sangramento ocorre na maioria das pessoas que têm hemorragia de varizes esofágicas. Alguns medicamentos, incluindo aqueles para o coração chamado “beta bloqueadores” podem reduzir a alta pressão portal e reduzir o risco de sangramento. Hemorragia Digestiva Alta 2 Hemorragia Varicosa Radiologia intervencionista:Obliteração de varizes sangrantes. Hemorragia Varicosa Cirurgia: Emergência: transecção esofágicaDerivação portocava calibrada Derivação mesentérico-cava Derivação esplenorenal distal (Warren) Desconexão ázigo portal com esplenectomia (DAPE) 20 Hemorragia Varicosa Profilaxia secundária (40% de ressangramento nas primeiras 6 semanas): Ligadura elástica → escleroterapia Encefalopatia Infecções ( PBE, ITU, PNM) 21 Hemorragia não-varicosaImportância da faixa etária Condições clínicas de base Vigência de anticoagulação Estratificar risco clínico Estratificar risco endoscópico 24 Hemorragia não-varicosa Escore de RockallPontos Risco Ressangramento Mortalidade ≤ 2 Baixo <5% <1% 3 a 7 Médio ≥ 8 Alto 52% 30% 26

3.1 HEMORRAGIA DIGESTIVA ALTA NÃO VARICOSA (HDANV)

  • Tempo/duração da queixa.
  • Sinais e sintomas principais (melena, hematêmese).
  • Investigar comorbidades de base.
  • Uso concomitante de medicações (anticoagulantes orais).

Hemorragia não-varicosa Neoplasias malignas1% das hemorragias digestivas Tipos ulcerados são os mais propensos Primeiro sintoma das neoplasias gástricas precoces encontradas no Brasil 31

Hemorragia não-varicosa EsofagitesMaioria por refluxo gastroesofágico crônico Raramente causa sangramentos graves Hérnias paraesofágicas encarceradas onde as úlceras surgem por isquemia do segmento gástrico herniado ou do esôfago comprimido 32 Hemorragia não varicosa Gastrite erosiva hemorrágicaLesão superficial da mucosa Sangramento digestivo lento Menos de 5% dos casos= hematêmese ou melena As causas mais comuns são: AINES Álcool Estresse severo 36 Esses podem ser sutis como fadigas ou hipoalbuminemia ou severos como hemorragia por varizes. alta continua sendo o padrão ouro (melhor exame) para o diagnóstico das varizes tratamento da hemorragia. úlcera e cai o anel, tornando essa fase de pequeno risco de hemorragia. ascite, diminuição do risco de hemorragia por varizes prótese com o passar do tempo, ou como opção de tratamento da hemorragia por Consenso sobre o tratamento da hemorragia varicosa na hipertensão portal.

3.2 HEMORRAGIA DIGESTIVA ALTA VARICOSA (HDAV)

  • Dosagem da função do fígado;
  • Endoscopia do esôfago e estômago;
  • Ultra-sonografia do fígado e do sistema venoso portal;
  • Doppler da veia porta e da veia esplênica;
  • Biópsia do fígado.

primeiro sangramento tratamento dos episódios de hemorragia profilaxia secundária: é a prevenção de

episódios de hemorragia cirróticos com sangramento de varizes devem ser tratados, idealmente, em que possível em qualquer paciente com hemorragia digestiva alta e suspeita em pacientes com hemorragia varicosa infecções, principalmente do trato urinário e respiratório e profilaxia secundária; em casos de hemorragia recorrente ou severa, pode ser [ Home ] [ Acima ] Em pacientes com grandes varizes esofágicas ou gástricas que estão em risco de ruptura, o tratamento preventivo com bloqueadores beta (por exemplo, nadolol ou propranolol) é geralmente instituído. Em alguns casos, a terapia endoscópica (ou seja, varizes bandas podem ser instituídos para prevenir hemorragia varicosa (veja abaixo). No caso de hemorragia com risco de vida que não pode ser controlado por via endoscópica e a terapia médica, TIPS é uma opção útil. Hemorragia Digestiva Alta - Profilaxia e tratamento Diarréia e constipação na UTI Roger Oliveira R2 CM Unifesp - EPM 2 A maioria dos episódios de hemorragia GI nos pcts críticos ocorrem devido a ulceração gástrica ou esofágica.

Apresentação em tema: “Hemorragia Digestiva Alta - Profilaxia e tratamento Diarréia e constipação na UTI Roger Oliveira R2 CM Unifesp - EPM.“— Transcrição da apresentação:

Dieta e profilaxia HD Nutrição — A nutrição enteral pode reduzir o risco de hemorragia digestiva por úlcera de estresse.

HDA: varizes esofago-gástricasCada episódio de hemorragia varicosa está associado a aumento de 30% na mortalidade. Hemorragia Digestiva Situações de alto risco: Idade > 60 anosComorbidades graves Rupturas de varizes Passado de hemorragia digestiva Sangramento em hospitalizados Melena persistente PAS>100 e pulso>100 Ressangramento 23 tratamento farmacológico da hemorragia digestiva. Hemorragia varicosa O sangramento decorrente da rotura das varizes gastroesofágicas Vale ressaltar que o controle da hemorragia decorrente da rotura das varizes para o controle da hemorragia, por diminuir o fluxo para as varizes esofágicas. da hemorragia varicosa, mesmo no que diz respeito a varizes gástricas(46). A ocorrência de hemorragia por varizes esofágicas é um evento catastrófico na vida de um cirrótico. Varizes esofágicas com sangramento Com a alta mortalidade decorrente do sangramento, todo portador de cirrose deve estar alerta quanto a sinais de hemorragia (tabela abaixo). A principal complicação desse tratamento é a piora da hemorragia (já que há uma perfuração da variz) e a perfuração esofágica, mas são incomuns. O shunt cirúrgico deve ser considerado nos casos de hemorragia persistente, no ressangramento precoce e quando o TIPS não é disponível. Os principais fatores de risco para a hemorragia digestiva alta decorrente da ruptura de varizes esofagogástricas são: – hipertensão porta superior a 12 mmHg;